TEMPO FECHADO - ZONA LESTE SÃO PAULO - CONTATO: VIVO (011) 9.4201-5996 - OI (011) 9.4610-5741 - CLARO (011) 9.8980-6421 - TIM (011) 9.8120-5409Vivo (011) 9.4201-5996




Entrevistador: Reei Dance - Programa BUM DANCE BABY

Entrevistados: Kdeia - Navalha e Comparsa (Tempo Fechado)

E eu quero fazer uma pergunta, que é simples.
Porque Tempo Fechado?

"Tempo Fechado é o seguinte, há 14 anos atrás, nós 3 aqui, sentados numa mesa redonda como aquela que tem ali atrás do Estúdio, resolvemos colocar esse nome, e não pra querer fechar o tempo, pra chegar e fazer marrento nos palcos, não, mais sim pra chegar fechar o tempo em termos de ideologia, entendeu negô? Ideologicamente. Não pelo tempo fechado porque tá chovendo, mais tempo fechado na ideologia."Meu querido amigo Kdeia, me diz uma coisa, porque o apelido Kdeia?
"Muitas pessoas perguntam isso, porque, o maluco foi preso, mais ae, nunca nem pisei dentro de delegacia, a não ser pra perguntar algo, mais é o seguinte, Kdeia, você pode ser um Kdeia, eu posso ser um Kdeia, as minas, os manos podem ser um Kdeia, entendeu? Somos um Kdeia da vida, mais que trabalha, que sustenta uma família, que sai 5 horas da manhã, com a marmita debaixo do braço."
Eu também quero saber do nome Navalha, porque Navalha?"O Vulgo Navalha na verdade vem desde infância, desde criança, porque meu pai costumava cortar o cabelo da criançada ai ele cortava pra ficar um mês sem poder fazer nada, então, passava a navalha. Ae pegou e ficou e a galera só conhece como navalha."
E na Maré, é você que toca aquele Trompete?
"Exatamente"
E me diz uma coisa, quando vc começou a entrar pra música, porque pra tocar um trompete você tem que ter uma instrução, ter um aprendizado com a teoria musical, como é que foi o começo disso tudo, quem que foi que abriu esses caminhos pra você?
"Na minha infância apartir dos 10 anos de idade, eu tinha um primo que ele tocava em uma banda, uma fanfarra, fanfarra de escola, fanfarra escolar, e eu tocava flauta doce, sempre tive esse desejo de tocar um instrumento musical. E por ele ver eu tocando flauta doce, ele me incentivou a fazer um teste e tal nessa fanfarra , e é até engraçado essa história, porque eu era o mais franzino ali, o mais magrinho, me lembro que o instrutor até desmereceu e falou você não vai ser o último a fazer o teste, porque eu sei que já não vai, e como meu primo já tocava trompete, ficou fácil, porque eu pegava o instrumento dele, e os caras não sabiam tirar nem um som e ai foi fácil, e isso desde os 12 anos que eu toco, tenho uma formação sim musical, é difícil, é complicado, mais se quizermos, tocamos tranquilamente."
E você meu querido Kdeia, como é que você entrou no mundo da música, No Rap ou se você já trabalhou com outros estilos musicalmente ou só trabalha com Rap mesmo, e como é que foi encontrar o RAP, encontrar a música e entrar nesse mundo musical? "O RAP na verdade pra mim, posso dizer que foi um resgate, é como eu falei há uns minutos atras ai, querendo ou não KDEIA, nunca fui preso e nada, graças a Deus, mais eu tive parceiros que foram e até hoje ainda estão presos, eu tive meu irmão de sangue que foi preso, e na época eu andava lado a lado com ele, mais graças a Deus não entrei, já bastou o sofrimento da minha mãe com ele lá dentro, e eu encontrei na música a saída disso daí, fora o sofrimento da minha mãe, fora o sofrimento dela, o RAP pra mim foi um resgate e pra minha família que indiretamente também começou a gostar."
Vendo essa questão, como é que a família reagiu quando viu que você começou a entrar na música, começou a trilhar um caminho diferente, do que tava acontecendo na sua vida ai?
"Apoio total, nego, porque o RAP nego, desde quando a gente de moleque, o RAP retrata a periferia, né nego, o RAP, a gente é representante do Gueto, e apartir do momento que você se faz presente, sentado numa mesa rimando, escrevendo e você põe aquilo em música, nego, é outra idéia. Quando a família vê aquilo ai fala, pow tenho um parente que é músico, mais do que isso, ele representa o gueto, ele bate de frente, ele tem a vóz que eu não tenho, e queria falar, então o pessoal apóia mesmo. Apóia e anda de mão dada com a gente.
Eu quero agora falar com o DJ Comparsa, troquei idéia com o Kdeia, com o Navalha, vou trocar idéia com DJ Comparsa, DJ, já que é o DJ o cara que mexe com a Pick-up, como toda aquela musicalidade em seus ouvidos, com os tocas discos, como é que foi, como é que você entrou nesse vibe se você já cantou ou se você mexeu só com os toca discos?"
"Ele é o maestro."
"No Tempo Fechado eu faço os recortes, o meu gosto é mesmo pelo toca discos, desde 92, que eu toco e de lá pra cá procuro sempre estar aperfeiçoando, mais o meu gosto maior mesmo são pelas Pick-Ups."
"A gente põe ele pra trabalhar, além de ele tocar ele tem que cantar junto"
"Faço o reforço"
Comparsa, porque Comparsa?
" É uma longa história mano, porque é assim, o Tempo Fechado quando acabou existindo foi dia primeiro de Junho de 1999, pelo fato do nascimento do meu filho, só que é assim, o Tempo Fechado na verdade, ele já tinha uns mêses antes disso, só que antes do Tempo Fechado a gente já caminhava junto eu o Kdeia e o Navalha, até porque a gente já se conhece já tá beirando mais ou menos 20 anos. Estamos juntos. Então na história do Tempo Fechado já estamos 14 anos, então lá atrás quando foi feito essa união do grupo chamado Tempo Fechado, a gente acabou sentando pra poder conversar e justamente estar escolhendo o vulgo de cada um, do grupo, e pelo fatos da gente estar sempre juntos, o próprio Kdeia falou assim, cara por você estar sempre juntos a gente estar sempre correndo nada melhor do que você ter o vulgo comparsa porque está sempre junto com a gente caminhando pra lá pra cá, e acabou juntando esse nome Kdeia, Comparsa e meu parceiro Navalha que tá junto conosco."
"Satisfação imensa ter o Grupo Tempo Fechado aqui na Rádio Onda 87,5 FM no Programa BUM DANCE BABY"
"Satisfação a nossa, agradecemos de coração a oportunidade"