Sandrinha Borgueti - (Hip Hop Sem Fronteiras) acompanhou a caminhada do Luciano Lima por um período e ficou admirada com algumas atitudes dele, mais o que mais chamou a atenção foi a humildade com que ele interage com os parceiros do Hip Hop, a humildade com que ele interage com a Comunidade, a humildade que ele fortalece com Eventos de Cunho Social, e se identificando com essas ações, teve a curiosidade de querer saber  sobre essa pessoa que busca preencher uma VAGA PARA MEMBRO DO CONSELHO TUTELAR, porque pra honrar esse lugar que busca o equilíbrio e representar a  efetividade dos Direitos das Crianças e dos Adolescentes, tem que ser, no mínimo, alguém muito especial.


O Luciano Lima falou, ao HIP HOP SEM FRONTEIRAS, um pouco sobre sua militância.


Vamos lá então Sandrinha. Sou estudante de Serviço Social, estou no 7° Semestre, fui Educador Social em um Abrigo misto de Crianças e Adolescentes durante 2 anos, onde tive uma vasta experiência sobre crianças destituídas da família, esse é um dos fatores que quero ter uma luta intensa, os atuais Conselheiros Tutelares, parecem mais despachantes de Juiz, é preciso entender a criança e o adolescente além do problema deles, que possivelmente é a família, o caso seria então uma análise em cima da família e da criança, muitas vezes separar a família não é a solução, desta forma você pode estar formando um outro problema para a família e para a sociedade.
Depois disso fui trabalhar com pessoas em situação de vulnerabilidade social e situação de rua, crianças e adolescentes em trabalho e exploração sexual. Essa foi a pior parte, aprender na realidade que a maioria dos abusos as crianças acontece dentro da própria casa e pior ainda, por alguém muito próximo. Isso me mostrou a vulnerabilidade que esses pequenos estão, dentro da própria casa, e não estão seguros, a partir daí que eu percebi que o papel do conselheiro tutelar não é em uma mesa, aguardando a demanda, o trabalho do conselheiro é na comunidade, junto aos mais vulneráveis, mulheres, crianças idosos, adolescentes, fazendo um trabalho de conscientização sobre esses tipos de abuso, trabalhar com a prevenção, dando palestras nos locais onde mais esses abusos que é dentro da comunidade, dando empoderamento para as mulheres que se sentem acuadas, fazer esse pessoal acreditar e confiar que eles não são culpados por sofrerem abusos”


 

"Na Ruas Abertas tivemos a participação mais que especial do ilustre @marciorobertoforte com essa banda maravilhosa @bandaparalela um som sem igual!!"
Parabéns, e muito obrigado" - Luciano Lima

‪#‎adesampa‬ @adesampa